Não é de hoje que termos econômicos estão nos noticiários. Neste ano, por exemplo, temos visto uma série de aumentos consecutivos na taxa Selic. Mas a dúvida de muita gente é: como a taxa Selic afeta a minha vida?

Apesar de termos consciência de que todas as medidas que o Banco Central adota irão afetar nosso cotidiano de forma direta ou indireta, é comum termos muitas dúvidas sobre este tipo de assunto.

E quando consideramos que a taxa Selic é uma das mais importantes, entender do que se trata esse termo é fundamental.

O que é a taxa Selic e como funciona?

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira. É o principal mecanismo que o Banco Central utiliza para realizar suas políticas monetárias. Assim, consegue alcançar a meta de inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional – CMN.

A inflação, por sua vez, significa o aumento nos preços de bens e serviços. Ou seja, quando a inflação está muito alta, o poder de compra da moeda é menor. É como se nosso dinheiro valesse menos.

Show Me The Money Cartoon GIF - Find & Share on GIPHY

Para frear a inflação, o CMN utiliza a Selic como instrumento, já que essa taxa influencia todas as taxas de juros do país, como:

  • os juros de empréstimos,
  • financiamentos,
  • aplicações financeiras, etc.

De forma resumida, a Selic existe para que haja estabilidade na economia. Com ela, pretende-se evitar o descontrole de preços e a desvalorização da moeda. Algo que já foi vivenciado em nosso país em décadas passadas.

O nome desta taxa é uma sigla originária das palavras Sistema Especial de Liquidação e de Custódia.

Este sistema é uma infraestrutura administrada pelo Branco Central para realizar a transação de títulos públicos federais.

O financiamento diário destes títulos gera uma taxa ajustada apurada no sistema e é esta taxa percentual que corresponde à Selic.

Mas que títulos são esses?

Então, você já sabe a função da taxa Selic. Mas o que os títulos públicos têm a ver com isso? O que são esses títulos?

Títulos públicos são papéis de dívida emitidos pelo Governo Federal. Quando uma pessoa compra ou investe nestes títulos, é como se estivesse emprestando dinheiro ao governo, que pagará com acréscimo de juros.

Este empréstimo possui um prazo curto de apenas um dia, e os títulos públicos federais são as garantias dadas.

Assim, quando o Copom (Comitê de Políticas Monetárias do Banco Central) decide que a Selic deve aumentar, o BC oferece mais títulos públicos às instituições financeiras.

Os títulos também possuem preço mais baixos, para oferecer uma remuneração maior.

Quando a Selic precisar baixar, o BC tende a comprar novamente estes títulos públicos que são negociados a um preço mais alto.

Dessa forma, “empurra” para baixo a remuneração para torná-los menos atrativos para as instituições financeiras.

A taxa Selic em 2021

Em 2021, a taxa Selic cresceu em diferentes momentos.

O primeiro aumento ocorreu em março. Porém, no mês de setembro, o Copom anunciou mais um acréscimo: a taxa chegou a 6,25% ao ano, o pico desde julho de 2019.

Alguns fatores que impactaram para a alta em 2021 foram:

  • expansão da inflação,
  • as revisões positivas para o PIB,
  • a prorrogação do auxílio emergencial
  • as expectativas para um novo programa social que será lançado pelo Governo Federal.

Qual a relação desta taxa no meu cotidiano?

Ainda assim, entender como a taxa Selic afeta a minha vida pode ser algo bem difícil. Por isso, que tal entender como o aumento ou a redução funcionam, na prática?

Aumento da Selic

Quando o Copom anuncia o aumento em percentual da taxa Selic, o juro cobrado pelos bancos nos financiamentos, empréstimos e cartão de crédito também aumenta.

Como o consumidor precisa pagar mais, ele pensa duas vezes antes de comprar algo.

Isso faz com que o consumo sofra um desestímulo, favorecendo a queda da inflação. Afinal, sem demanda os preços precisam baixar para justificar a compra.

Redução da Selic

Por outro lado, quando há uma diminuição na taxa Selic, o fenômeno ocorre ao inverso: os juros aplicados pelos bancos nas operações ficam menores.

Conseguir dinheiro emprestado fica mais barato, assim, o consumo é estimulado.

As compras aumentam e pode acontecer uma escassez de oferta, fazendo com que os preços dos insumos tenham uma elevação na inflação.

Make It Rain Money GIF by SpongeBob SquarePants - Find & Share on GIPHY

Como aproveitar o aumento da taxa Selic?

Como você viu, quando a taxa Selic está em alta, o dinheiro é “tirado” de circulação. Na prática, significa que os preços dos itens tendem a diminuir, o que é algo vantajoso para o consumidor.

Sabe como aproveitar a Selic alta? Em investimentos de renda fixa porque são beneficiados, sendo mais atrativos.

Não é por acaso que o app MeuCompromisso, que ajuda as pessoas a atingirem seus objetivos financeiros, mantém o dinheiro de cada usuário rendendo 100% do CDI.

No MeuCompromisso, você pode ativar o recurso Pingou & Investe, para direcionar seus depósitos para investimentos específicos e aproveitar os juros vinculados à Selic.

Mulher segurando smartphone com app MeuCompromisso

Com a taxa da Selic mais alta, as instituições financeiras têm maiores investidores em diferentes opções. Isso também ajuda a manter a rentabilidade de todos mais atrativa.

Mas saiba que também é possível aproveitar a queda da Selic – assunto para outro artigo do MeuCompromisso!

A dica que fica é, ao descobrir como a taxa Selic afeta a minha vida, fazer o possível para ter vantagens com ela.

Assim, é possível ganhar dinheiro ao estar atento às oportunidades.